Guia Têxtil News
Cadastre seu e-mail para receber informações atualizadas sobre a cadeia têxtil.
Formato de Email:
Brasil, 17 de abril de 2014
     

Alta do algodão fecha fábricas no RN

Imprimir E-mail
18 de maio de 2011

A alta de quase 200% no preço do algodão em pluma nos últimos oito meses provocou o fechamento de 80 tecelagens (de um total de 200) e a demissão de mais de 2 mil pessoas em Jardim de Piranhas, município a 287 km de Natal/RN. A alta também afetou outros municípios potiguares. Segundo Joilson Borges, presidente da Associação de Tecelagens do Seridó, "isso não ocorria há 140 anos", quando faltou algodão e os preços dispararam. A atividade têxtil é a base da economia de Jardim de Piranhas. Antes da crise, o setor empregava até 4,5 mil pessoas.

O município, segundo Joilson, não foi capaz de absorver os funcionários demitidos, que estão ociosos, aguardando a reabertura das fábricas. "A cidade gira em torno da tecelagem. Não conheço nenhuma atividade que possa se igualar em números de empregos gerados", afirma. O presidente da Associação espera que algumas fábricas reabram e voltem a readmitir já no segundo semestre com a provável queda nos preços, em decorrência da nova safra. "A alta do algodão desencadeou uma série de problemas em Jardim de Piranhas. A indústria perdeu seu poder aquisitivo, se descapitalizou e demitiu vários funcionários", resume.

De acordo com José Rangel de Araújo, gestor do Arranjo Produtivo Local da Tecelagem do Seridó e consultor do Sebrae/RN, está faltando algodão no mercado mundial, o que elevou os preços e culminou com o fechamento de fábricas e a redução de postos de trabalho. "O fio, que antes custava R$4,30, agora está custando, em média, R$8,50 - quase o dobro. Este aumento não pôde ser repassado para o consumidor final. O preço do fio dobrou, mas o preço do pano de prato, por exemplo, não pôde subir nem 30%", exemplifica. De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a alta dos preços foi provocada pela forte redução dos estoques mundiais. O problema é nacional e afeta principalmente fábricas de baixo capital e pouca capacidade de investimento.

Embora afete a indústria têxtil como um todo, a alta atinge em cheio as pequenas tecelagens. "Como o preço não pode ser repassado para o consumidor final, criou-se uma ciranda. A maior parte das fábricas ou estão produzindo menos ou fecharam as portas, porque não estavam ganhando dinheiro. As grandes fábricas ainda conseguem importar. As pequenas não", afirma.

Segundo Rangel, o problema não se restringe ao Rio Grande do Norte. Em todo o mundo, falta algodão. "E se os governos não tomarem uma medida mais energética vai continuar faltando". Na avaliação dele, aumentar a área plantada, como os dados divulgados pela Conab vem apontando, não basta. "O governo deve segurar este commodity (o algodão é um commodity negociada em bolsas de mercadorias do mundo, como a soja, por exemplo) para evitar que outros comprem nossa pluma e a gente fique sem". Mesmo que o governo federal, que tem o poder de tirar ou incluir commodities na bolsa de mercadorias, reverta o quadro nos próximos meses, o setor levaria um tempo para reaquecer, admite Rangel.

Quem trabalha na indústria têxtil e tem como matéria-prima o tecido e não o fio também sentiu os efeitos da alta do algodão. O tecido já chega 30% mais caro nas indústrias, segundo José Rangel. "Quem trabalha com fio sentiu maior impacto do que quem trabalha com o tecido. No entanto, o preço do fio acabou repercutindo na cadeia como um todo", afirma.


Estado importa grande parte da matéria-prima

A indústria têxtil potiguar consome cerca de 70 mil toneladas de pluma por ano. Boa parte do produto vem da Bahia e da região Centro-Sul do país. A produção potiguar, que deverá chegar a 900 toneladas nesta safra, é insuficiente para atender a demanda.

Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a área plantada com algodão no Rio Grande do Norte deve subir 30% na safra 2010/2011, o que ainda é considerado pouco pelo Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Rio Grande do Norte. A média é a segunda mais baixa do Nordeste. O RN ganha apenas do Ceará, onde a área deve crescer 14,8% este ano. Na Paraíba, por exemplo, estado que registra maior alta, a área plantada deve subir 580%, em relação a 2009/2010. No Brasil, a área plantada na safra 2010/2011 deve subir 65,9%, em relação à última safra, segundo a Conab.

Enquanto isso, no RN, a produtividade (calculada em quilo por hectare) deve subir 33,1% - terceiro melhor resultado da Região - e a produção (calculada em mil toneladas) deve crescer 80%, em relação à safra passada. É o terceiro melhor resultado do Nordeste. O RN fica atrás apenas do Piauí e do Ceará.

"O preço do algodão está agora em fase descendente, mas não sabemos ainda em que velocidade vai cair nem até onde a queda vai chegar. Não tenho dúvidas de que a situação vai se normalizar. Quando aumenta muito o preço, aumenta a quantidade de pessoas plantando. E como esse aumento que teve agora foi um aumento violento, então a área plantada de algodão no mundo vai crescer muito. No Brasil, as estatísticas apontam que a próxima safra tem uma área plantada cerca de 30% maior que a anterior. Isso representa mais oferta de algodão", esclareceu João Lima, presidente do Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Rio Grande do Norte, em entrevista à Tribuna do Norte.

Embora a perspectiva seja de crescimento na área plantada, produção e produtividade no RN e queda de preços, o cenário deve mudar apenas no próximo ano, segundo José Rangel.


Fonte: Tribuna do Norte / Notícias Agrícolas

Jornalista responsável pela publicação da matéria no site Guia Têxtil: Liliani Bento (DRT-817) / New Age Comunicação


 
Talvez você também queira ler:
Preços registram forte alta em NY nesta segunda-feira
Algodão fecha a terça-feira em alta em NY com chuvas sobre a colheita nos EUA
MT receberá US$ 75 milhões para compensações
Algodão sente pressões externas e fecha a sexta-feira no vermelho em NY
Produtores de algodão de MT estão receosos com queda do preço
Queda generalizada nas commodities pressiona algodão em NY nesta quinta-feira
Produtores de algodão de MT estão receosos com queda do preço
Preço tem maior queda mensal da série Cepea
Desaceleração na China pressiona novamente cotações em NY
Algodão encerra em alta na sexta-feira em NY frente ao recuo do dólar
Algodão fecha em baixa na quinta-feira em NY com sinais de enfraquecimento na China
Algodão encerra a quarta-feira com menor patamar em três meses na Bolsa de NY
Compradores retraídos; preços seguem em queda
Algodão baiano está na mira dos investidores chineses
Baixas intensificadas no Brasil
< Anterior   Próximo >